segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Lágrimas sem fim


Você já sorriu chorando?
Fingindo, e nunca se mostrando...
Parecendo terreno sombrio coberto por flores...
Parecendo enfermo que não mostra as dores!

É claro que você vê o colorido!
O seu setembro deve ser florido...
No meu jardim a rosa tem uma palidez sem fim...
Parece que quer repetir a aflição que está em mim!

Meus pés esmagam a minha lua...
Almas tristonhas me acompanham na rua...
É de lágrimas que eu vivo; não vou mentir...
No meu intimo a melancolia só quer se exibir!

É claro que você vê o sol!
Não o encontrei por onde ando...
Não existe alegria para quem está chorando...
Soluço baixinho; não quero inibir quem está sorrindo!

Às vezes, a solidão te procura?
Conheço muito bem esta amargura...
Ela já está comigo; vive presa na minha cintura...
Carrego uma ferida aberta; sem remédio e sem cura!

Você sabe o que é receber amor?
Mesmo com os espinhos, não existe dor...
Eu piso num chão de rosas que perderam a cor...
Eu machuquei a flor; carrego comigo este dissabor!

Você pranteia de vez em quando?
Para mim não tem hora; eu vivo em pranto...
Como enxergar o dia se as lágrimas não tem fim?
São tantas, que a todo instante vivem saindo de mim!

Eu sempre arruíno qualquer sorriso...
Sujo de lama o espelho, e perco o viço...
Rasgo todas as roupas coloridas; uso a veste da morte...
Os meus olhos derramam a solidão, e não há quem se importe!

Janete Sales Dany
Licença Creative Commons
O trabalho Lágrimas sem fim de Janete Sales Dany está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Nenhum comentário:

Postar um comentário