quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Manhã de escuridão em mim By Janete Sales Dany



Manhã de escuridão em mim
Tristeza que chega e não tem fim

Eu me isolo e choro
Um lamento escondido
Na frente dos outros eu me calo;
o meu gemido é contido

Meu mundo vazio voltou e está de novo comigo

E o hoje se parece com o ontem que foi perdido
A solidão veio de novo me abraçar,
com os seus braços largos parece querer me esmagar


Na minha visão as ruas estão escuras e desertas,
mesmo que haja o sol lá fora
E dentro de mim se faz tempestade;
cada pingo que cai é a minha alma que chora!

Janete Sales - Dany



Licença Creative Commons
O trabalho Manhã de escuridão em mim...by Dany de Janete Sales Dany foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.

Estrela onde foi que eu errei? By Janete Sales Dany

http://api.ning.com/files/Hu6bOG3IkcRLAze03u0pmqs6baco8khqPhaAww6TTqlX8Sho0gw6xBd4wodXNdOZAoH8OP0cUdyHqRgTNPbaz5lMGSfLa8t1/scrapeenet_glitterizer_201310051433290U15OE.gif
Vai estrela! Se oculta de novo!
Deixa-me neste profundo sufoco
Quando brilhava era tudo para mim
Eu dormia sorrindo coberta de cetim


 Vai estrela! Brilha em outro céu!
Nem se incomoda; eu vou assim ao léu
Quando proseava comigo tudo tinha razão
Hoje longe, nem sente que arrasou um coração


 Vai estrela! Esconde de mim o seu ar!
Você me fez saber que eu ainda sei amar
Quando surgia o meu intimo fazia a maior festa
Hoje já me esqueceu; é só a saudade que me resta


Sou um anjo que tem a rosa da morte By Janete Sales Dany




Sou um anjo de olhar deprimente
Olho para o céu e não vejo a estrela cadente
Sou um anjo que nada fez para um dia estar assim
O cheiro da morte se mistura com a flor do jasmim

Sou um anjo que marcha nas brasas
Como voar? A dor roubou as minhas asas!
Sou um anjo que espera por um único milagre
Que este luto que eu trago comigo um dia se acabe

Sou um anjo caído no caminho
Todos partiram e eu fiquei sozinho
Sou um anjo que perambula no breu
Solucei quando vi que a poesia morreu

Sou um anjo que não sai do lugar
Perdi o meu céu e não consigo voar
Sou um anjo que não contempla o sol
Não consigo ouvir o cântico do rouxinol

Sou um anjo que foi desprezado
Da minha casa desapareceu o telhado
Sou um anjo que ninguém pode conhecer
Sou diferente, quando nasci comecei a morrer!

Sou um anjo que vive na solidão
Ninguém quis receber o meu coração
Sou um anjo que deu a vida ao mundo
Em troca herdou um desprezo profundo